Cerca de 390 cargas de doações já saíram de Passo Fundo para cidades gaúchas atingidas pelas enchentes
GERAL
205

Cerca de 390 cargas de doações já saíram de Passo Fundo para cidades gaúchas atingidas pelas enchentes

Por Alessandra Staffortti
26/05/2024 05:00
Compartilhar
        


Desde o começo de maio, o Centro de Distribuição de Doações de Passo Fundo enviou 387 cargas com donativos às cidades atingidas pelas enchentes no Vale do Taquari e Região Metropolitana do Rio Grande do Sul. O espaço fica no pavilhão da antiga Manitowoc, no bairro Valinhos. Da última segunda (20) até esta sexta-feira (24), foram 39 cargas.

O trabalho de entrega é feito por voluntários que disponibilizam caminhões e veículos para levar os mantimentos até os municípios atingidos. Neste time, quem ajuda desde o primeiro dia é o voluntário Marcos Thiago Schaeffer. Funcionário de uma empresa de transportes, ele deixou o setor que era responsável para fazer o serviço de entrega voluntária.

Na linha de frente, ele perdeu as contas de quantos quilômetros já rodou para chegar a Canoas, Porto Alegre, Encantado, Putinga, Roca Sales e Muçum. Schaeffer dirige um dos 40 caminhões disponibilizados pela empresa para o transporte das doações.

— Nos primeiros dias, viagens de três ou quatro horas se tornaram percursos de um dia e meio. Foi difícil, em alguns locais senti medo e fomos escoltados pela Polícia Federal porque estavam saqueando as cargas. Hoje já está mais tranquilo, mas cada hora vamos por um lugar, mudando conforme os bloqueios. A rotina ainda é puxada, mas vamos seguir fazendo enquanto for necessário — resume.

Na manhã desta sexta-feira (24), o caminhão dele partiu rumo à capital gaúcha carregado de duas toneladas de cestas básicas, a pedido da prefeitura de Porto Alegre. Tudo é gerenciado e fiscalizado pela Defesa Civil e órgãos de segurança para garantir que o pedido chegue ao destino.

Até o veículo ser carregado e seguir seu destino, voluntários auxiliam no processo de triagem e embalo das doações. Mesmo após 20 dias de trabalho, ainda há quem se voluntarie pela primeira vez, como a auxiliar de clínica, Nicolly Veseloski, 20 anos. Com dispensa no trabalho para ajudar nas doações, ela conta que se comoveu após relatos dos pacientes atendidos, e resolveu ajudar:

— Recebemos pessoas de fora, que vêm para atendimento de saúde. Diminuiu muito a procura e os que vêm falam que ainda têm parentes desaparecidos, ou como foram afetados de alguma forma. Como nós não fomos atingidos, nosso papel é ajudá-los, não consegui mais ficar em casa sem fazer algo.

Gerenciamento da Central de Doações passa a ser da Defesa Civil Estadual

A partir desta sexta-feira, o comando e operação da Central de Doações de Passo Fundo passam a ser da Defesa Civil Estadual, e não mais do órgão municipal. As doações seguem armazenadas na unidade da antiga Manitowoc, sob responsabilidade do coordenador regional da Fronteira Oeste, Luis Sandro Martins.

— A equipe municipal agiu em um momento de emergência, foram essenciais para estruturar o local e dar a resposta imediata que o Estado necessitava. Agora, passamos a um segundo momento, o município segue apoiando, só não faz mais o gerenciamento. É o andamento natural dos fatos — explica Martins.

O que doar e o que não doar no momento

As necessidades atuais seguem sendo alimentos e itens de higiene e limpeza. No caso das cestas básicas, há o pedido para a substituição do leite para a opção em pó, o que facilita o transporte e o armazenamento em abrigos.

A Defesa Civil Municipal também alerta para donativos que não são mais necessários, pela grande quantidade em estoque e baixa procura dos municípios. Veja a seguir:

O que precisa: Alimentos (arroz, macarrão, feijão, farinha, café e leite em pó), produtos de limpeza em geral, e itens de higiene pessoal (fraldas, escovas de dente, shampoos e sabonetes)

O que não precisa: água, roupas e colchões.

.

Fonte:

GZH




Notícias Relacionadas