Fertilizante produzido pela Agrodanieli de Tapejara tem desempenho comprovado em estudo realizado pela URI
AGRICULTURA
4.1K

Fertilizante produzido pela Agrodanieli de Tapejara tem desempenho comprovado em estudo realizado pela URI

Produtividade apresentou desenvolvimento 4% superior

Por Belchyor Teston
17/06/2024 15:44
Compartilhar
        


Uma pesquisa científica desenvolvida pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) – campus Santo Ângelo (RS) - no período de dezembro de 2023 a maio de 2024 comprova uma tendência positiva no que se refere à nutrição do solo com fertilizante organomineral para a cultura da soja. Conforme o estudo coordenado pelo professor Vitor Cauduro Girardello, mestre em Ciência do Solo e doutor em Engenharia Agrícola, a produtividade do grão se evidenciou 4% maior com a utilização do fertilizante organomineral Neorgan comparado com fertilizantes minerais convencionais.

A Neorgan é uma marca que tem crescido de forma rápida no mercado, produzida pela Agrodanieli, de Tapejara (RS), e que disponibilizou a matéria-prima para o experimento. Trata-se do segundo trabalho realizado pela instituição de ensino com o fertilizante organomineral Neorgan, a qual já havia apresentado em março desempenho positivo semelhante também para a cultura do trigo.

“O fertilizante organomineral da Neorgan manteve praticamente o mesmo comportamento nas duas culturas e tem uma estabilidade muito boa a longo prazo. Nos chama a atenção essa regularidade do produto”, avalia Girardello. O coordenador ainda destaca o interesse em seguir fazendo esse acompanhamento, o qual revela não só produtividade, mas também reflexos positivos na qualidade do solo. “A produtividade talvez não seja tão percebida de uma safra para a outra. Ele tem uma consistência que no longo prazo vai se sobressair. Mas se juntarmos o tratamento do trigo com a soja já chegamos a quase 10% a mais de resultado com o fertilizante Neorgan comparado à área sem fertilizante e com fertilizante químico”, completa o professor.

O estado do Rio Grande do Sul é um dos maiores produtores de soja do Brasil, sendo que participa com 22,4 milhões de toneladas de oleaginosas. Vários fatores podem afetar o desempenho e a nutrição tem um papel fundamental, podendo representar até 40% do custo total de uma lavoura. E, como esclarece a pesquisa da URI Santo Ângelo, o fertilizante organomineral corresponde a uma solução tecnológica, tanto sob o ponto de vista ambiental, como agronômico, pois combina fertilizantes minerais (matérias-primas minerais) e fertilizante orgânico (composto orgânico). “Desta forma, pode ser uma alternativa inovadora na produção de grãos, diminuindo os custos, a dependência estrangeira de matérias-primas, além de otimizar recursos naturais que não poderiam ser descartados in natura na natureza, gerando uma nova alternativa economicamente e socialmente viável”, relata o diagnóstico.

Além de considerar a importância desse reconhecimento científico para os diferenciais do fertilizante organomineral, o gerente comercial da Neorgan, Anderson Costa, observa o compromisso da marca com a constância em nutrição. “O foco é entregar uma nutrição para que a planta expresse o maior potencial produtivo dela”. Costa ainda salienta a eficiência dupla proporcionada pela produtividade da cultura e qualidade do solo, além do equilíbrio que consegue oferecer às plantas em situações climáticas adversas como estiagem ou chuva em excesso. “Cada grão recebe essa composição de tecnologia e proteção para a cultura”. Essas vantagens também estão presentes no estudo, no qual consta que “devido ao seu efeito residual ser maior e ao aporte de matéria orgânica no solo, gera uma intensa atividade biológica, fazendo com que as substâncias produzidas funcionem como agentes cimentantes das partículas, melhorando a estruturação do solo e, por consequência, as culturas sofrerão menos com os estresses climáticos”.

Ao final do estudo, a URI atesta a viabilidade da substituição parcial ou total da adubação química pelos fertilizantes organominerais Neorgan e também sugere a repetição da pesquisa em pelo menos mais três safras agrícolas. A sequência está garantida e é de grande interesse da empresa para validação científica dos resultados que já estão sendo relatados pelo mercado/clientes.

Fonte: Fabiano Bladt




Notícias Relacionadas