Iniciativa de Tapejara e região confecciona e doa móveis para atingidos pela enchente
GERAL
922

Iniciativa de Tapejara e região confecciona e doa móveis para atingidos pela enchente

Por Alessandra Staffortti
12/06/2024 09:36
Compartilhar
        


A tragédia que afetou mais de 2 milhões de gaúchos também destruiu mais de 100 mil casas em todo o Rio Grande do Sul. A água que invadiu as residências levou também móveis e todos os pertences de algumas famílias.

Diante desse cenário, engenheiros, arquitetos, marceneiros e empresários da Região Norte criaram uma iniciativa para construir e doar móveis. A Campanha Mobília RS teve início em 8 de maio e já arrecadou quase mil itens.

A iniciativa começou quando quatro arquitetos desejavam ajudar as vítimas da enchente. Aos poucos, a rede de profissionais foi crescendo, até que o grupo conseguiu apoio de empresários do setor moveleiro e também da Associação de Engenheiros e Arquitetos de Passo Fundo.

Atualmente, são cerca de 40 empresas parceiras da campanha e aproximadamente 300 profissionais entre arquitetos, engenheiros e marceneiros.

Um dos empresários que está ajudando é Adelcio Delazzari. Ele tem uma fábrica de móveis planejados em Tapejara, mas, junto dos funcionários, fez uma força-tarefa para construir armários e balcões.

— Tudo foi feito aqui na fábrica. Foi feito também fora de horário, para não parar a produção. Foi feito tudo aqui, tudo dentro da empresa — comenta Delazzari.

Assim como ele, muitos empresários estão doando diferentes móveis. São mesas, cadeiras, balcões, armários, estrutura para camas, colchões e sofás. Segundo uma das idealizadoras do Mobília RS, Tânia Fuga, para conseguir aumentar a rede de profissionais e empresas auxiliando, a organização atua em três frentes.

— Uma delas é junto ao empresariado do setor moveleiro, que então doa esses móveis. Na segunda linha de atuação, nós percebemos que o empresário de menor porte tinha condição e tinha desejo de doar a mão de obra. Então juntamos arquitetos, fornecedores de chapas, de acessórios e a mão de obra do marceneiro. Depois, a terceira linha de atuação é a doação de recursos para que a gente possa dar conta de comprar alguns materiais que venham a faltar, como, por exemplo, tampos de inox — explica Tânia.

Além dessa organização, a campanha está com núcleos em cinco municípios: Passo Fundo, Tapejara, Lagoa Vermelha, Casca e Marau.

Em Passo Fundo, a organização conseguiu um espaço cedido para armazenar donativos da região, todavia, diante da grande adesão, o lugar, no centro da cidade, se tornou pequeno. Por isso, as empresas e os profissionais com condições podem fazer o encaminhamento direto às famílias necessitadas. O centro de distribuição se tornou um local para organizar os móveis feitos por empresários com produção menor, que não lotaria os caminhões de entrega.

A grande quantidade de donativos se reflete na adesão de empresas e profissionais. De acordo com presidente da Associação de Arquitetos e Engenheiros de Passo Fundo, Ubiratan Oro, são mais de 300 profissionais ligados à campanha.

— Nós temos mais de 300 profissionais e depois, juntando todo o número de associados da entidade, isso vai perto de 500 pessoas e o que se espera é que a gente consiga entusiasmar essas pessoas para que façam uma participação. Por menor que seja, ela é muito grande — aponta Oro.

A intensa ajuda que a campanha recebeu fez com que quase mil móveis fossem recebidos em pouco mais de um mês. Na segunda-feira (10), os voluntários foram até Travesseiro, Putinga e Marques de Souza para entregar balcões, armários, camas e outros móveis.

Oro relembrou emocionado a viagem. Segundo ele, quem recebeu os móveis agradeceu pela ajuda para recomeçar a vida dentro das próprias casas.

— No fundo, nós estamos cumprindo com o juramento que fizemos lá quando nós formamos, de usar o nosso conhecimento pelo bem da humanidade. Isso aí que está acontecendo — conta.

Agora, organização deseja fazer viagens semanais para municípios atingidos. Esse objetivo depende de ainda mais ajuda, principalmente de agentes de polos moveleiros de outros Estados.

— Temos buscado junto ao setor moveleiro esse esforço, sabemos que o setor moveleiro no Brasil é muito forte, é um dos maiores produtores de móveis do mundo. Então a gente sabe que tem aí outros polos moveleiros distribuídos nos Estados que podem estar colaborando conosco aqui no Sul — frisa Tânia.

Empresários e pessoas da comunidade que desejem colaborar com a campanha podem entrar em contato através do telefone (54) 9.9927-8000.

.

Fonte:

GZH




Notícias Relacionadas