Por danos da enchente, políticos discutem adiamento das eleições no RS
ELEIÇÕES
769

Por danos da enchente, políticos discutem adiamento das eleições no RS

Justiça Eleitoral dz que trabalha para realizar o pleito

Por Alessandra Staffortti
14/05/2024 07:29
Compartilhar
        


Assombrados com a destruição provocada pela enchente, políticos de diferentes vertentes ideológicas começaram a discutir o adiamento as eleições municipais no Rio Grande do Sul. A votação em que serão escolhidos os próximos prefeitos e vereadores das 497 cidades gaúchas está marcada para o dia 6 de outubro. O segundo turno, onde houver, para o dia 27.

Nos últimos dias, líderes de diferentes agremiações têm recebido telefonemas de correligionários de diferentes regiões do Estado para discutir a hipótese. O apelo não se restringe apenas aos pontos mais afetados, como a grande Porto Alegre ou o Vale do Taquari, já que praticamente todo o território gaúcho sofreu algum dano com o evento climático.

Consultados por GZH, parte dos presidentes dos maiores partidos do RS afirmaram concordar com o adiamento. Dos 10 dirigentes ouvidos, cinco manifestaram apoio à ideia e quatro disseram não ter posição firmada até o momento (veja abaixo). Apenas a presidente do PT, Juçara Dutra, rejeita a medida.

— A reconstrução do Estado vai longe, teremos esse passivo por muito tempo — justifica Juçara.

Entre quem apoia a postergação do pleito, prevalece a ideia de que o Estado não conseguirá se recuperar minimamente a tempo da campanha.

— O ambiente é difícil, não haverá nem clima para chegar na casa das pessoas e pedir voto — pondera o deputado federal Luiz Carlos Busato, presidente do União Brasil.

Também há quem considere que, faltando cinco meses para a votação, pode-se aguardar mais tempo para tomar a decisão.

— Devemos esperar pelo menos uns 40 dias, quando as águas baixarem, para ver a realidade das cidades — opina o deputado estadual Elizandro Sabino, do PRD.

A última eleição municipal, em 2020, teve a data postergada para 15 de novembro, em razão da pandemia de covid-19. Para isso, foi necessário aprovar uma emenda à Constituição no Congresso Nacional.

Caso se decida pelo adiamento neste ano, o mesmo caminho terá de ser adotado. Se o pleito for remarcado para 2025, ainda será preciso prorrogar os mandatos dos atuais prefeitos e vereadores, que terminam em 31 de dezembro.

TRE contabiliza prejuízos, mas se organiza para outubro

A despeito do frisson na classe política, a Justiça Eleitoral não discute, até o momento, a hipótese de alterar a data da votação. No Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul (TRE-RS), a prioridade é contabilizar os prejuízos provocados pela enchente.

A sede da Corte no Centro de Porto Alegre, onde fica a central de atendimento ao eleitor, teve o primeiro andar tomado pela água. Preocupação ainda maior se abate sobre o depósito que guarda 15 mil urnas na região do 4º Distrito. Cercado pela água, o prédio também está sem luz, o que impede o videomonitoramento e, com isso, a possibilidade de saber se e como as máquinas foram afetadas.

No Interior, os cartórios eleitorais de São Sebastião do Caí, São Jerônimo, São Leopoldo e Arroio do Meio foram arrasados, enquanto o de Igrejinha sofreu danos parciais. A estimativa é que ao menos 500 urnas tenham se perdido.

Presidente do TRE, a desembargadora Vanderlei Teresinha Tremeia Kubiak, afirma que a Corte está se preparando para realizar as eleições na data prevista. Se necessário, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) avisou que mandará uma carga extra de aparelhos ao Rio Grande do Sul.

—O TSE já nos sinalizou que tem contingente suficiente para a reposição e, em último caso, poderíamos usar as urnas do Distrito Federal, onde não há eleições municipais — ressalta a desembargadora.

O atendimento presencial está suspenso em todo o Estado, mas a emissão, transferência e regularização do título eleitoral podem ser feitas pela internet, neste link.

O que dizem os dirigentes dos maiores partidos do RS sobre o adiamento da eleição

A favor

PDT - Romildo Bolzan Júnior

"As eleições não são gaúchas, são nacionais. Se houver a possibilidade de submeter uma exceção ao RS, sou a favor. A logística, a circulação de mercadorias, a queda na arrecadação e tudo o que terá que ser feito e planejado farão uma diferença enorme na eleição. Para o RS, esse debate faz todo o sentido."

PL - Giovani Cherini

"Fui o primeiro a defender o adiamento. Acho que não tem as mínimas condições, com tudo o que estamos vendo. Se pensássemos só no PL, estaríamos defendendo que tivesse a eleição, mas o que está em jogo é o futuro do RS. Se passar para o ano que vem, aliviaremos muitas tensões nesse momento de crise."

PP - Afonso Hamm

"Vamos discutir isso com a bancada federal e estadual. Com quem conversei, as opiniões são divididas. Acredito que uma prorrogação, por cerca de 60 dias, até dezembro, não feriria a democracia e propiciaria uma mobilização verdadeira. Prorrogar um pouco o prazo seria a condição de maior bom senso."

Republicanos - Carlos Gomes

"Se formos tomar a decisão agora, é inviável ter eleição neste ano. Temos de dar atenção à nossa gente que está sofrendo. A Justiça Eleitoral deve analisar a possibilidade de passar para o ano que vem e destinar os recursos dos fundos partidário e eleitoral que seriam usados neste ano para ajudar na reconstrução."

União Brasil - Luiz Carlos Busato

"Vejo com dificuldade a possibilidade de fazer eleições neste ano. Não vamos conseguir reconstruir o Estado em cinco meses. Quantos cartórios eleitorais estão debaixo d'água, perderam tudo? Sou favorável ao adiamento. O ambiente é difícil, não haverá nem clima para chegar na casa das pessoas e pedir voto."

Contra

PT - Juçara Dutra

"Por enquanto não cogitamos o adiamento. Temos reunião do diretório na próxima quinta-feira e podemos discutir isso, mas nesse momento manteríamos o calendário. A reconstrução do Estado vai longe, teremos esse passivo por muito tempo. É um episódio que terá grandes desdobramentos."

Indefinido

MDB - Vilmar Zanchin

"Ainda não discutimos esse assunto. A situação está tão caótica que não deu tempo de fazermos uma conversa interna. Nos próximos dias, quando parar de chover e começar a recuperação dos municípios, se esse assunto vir à tona, vou chamar a direção do partido para tomarmos uma posição."

PRD - Elizandro Sabino

"Teremos muita dificuldade, porque os municípios disponibilizam suas estruturas, como escolas e ginásios, para a eleição. Sem dúvidas vamos ter que discutir isso. Penso que devemos esperar pelo menos uns 40 dias, quando as águas baixarem, para ver qual a realidade das cidades. Ainda é cedo para ter esse posicionamento."

PSB - Mário Bruck

"Temos que aguardar no mínimo 30 dias para saber qual a capacidade de reação do Estado para recuperar a infraestrutura. Hoje ninguém consegue fazer um prognóstico. Até junho podemos fazer uma avaliação, já que em julho temos as convenções partidárias. Ainda é cedo para tomar uma decisão."

PSDB - Paula Mascarenhas

"O PSDB ainda não tem uma posição oficial sobre esse assunto, mas vou provocar essa discussão com a executiva (do partido)."

.

Fonte:

GZH




Notícias Relacionadas