Edenilson: 'Sempre simpatizei com o Grêmio' e revela preferência do pai no RS
ESPORTES
959

Edenilson: 'Sempre simpatizei com o Grêmio' e revela preferência do pai no RS

Meio-campista diz viver "grande desafio da carreira"

20/04/2024 12:49
Atualizado: 20/04/2024 12:54
Compartilhar
        


A rivalidade Gre-Nal ganhou um novo capítulo nos últimos dias. O meio-campista Edenilson foi confirmado como reforço do Grêmio após uma passagem de quase cinco anos pelo Inter. Nas primeiras declarações, o jogador disse que o pai tinha preferência pelo Tricolor no Rio Grande do Sul e que sempre "simpatizou" com o atual clube.

Edenilson atuou pelo Inter entre 2017 e 2022 pelo Inter antes de se transferir para o Atlético-MG. Atuou pelo Colorado 306 vezes, com 48 gols e 32 assistências. Mas deixou claro a inclinação para o lado azul do Rio Grande do Sul.

— Meu pai sempre simpatizou mais com o Grêmio. Ele veio de São Paulo, mas o time que mais simpatizou aqui foi o Grêmio. Os filhos seguem o pai. Sempre simpatizei muito com o Grêmio, depois tive uma história de jogar no rival. Mas sou atleta profissional. Estou aqui para defender as cores do Grêmio. Estou muito entusiasmado, essa noite foi até difícil de dormir. É o grande desafio da minha carreira — garantiu Edenilson em entrevista para a Grêmio TV.

Já regularizado, Edenilson estava em recuperação de uma luxação no cotovelo esquerdo. Mas já se colocou à disposição para estrear. O meia não fez nenhum treino com os companheiros e não deve atuar neste sábado contra o Cuiabá. Na terça, o compromisso é com o Estudiantes, pela Libertadores.

— Estou pronto, estava treinando. Tive uma luxação no começo do mês. Acredito que esteja liberado, estava treinando. Vou continuar a fazer tratamento aqui para estar em contato com os médicos e já estar podendo ajudar — comentou.

Apesar do período no rival, Edenilson afirmou que sempre sentiu carinho dos gremistas em Porto Alegre.

— Por mais incrível que pareça, parece que sempre teve uma ligação. A torcida do Grêmio sempre foi receptiva comigo, carinhosa. Sempre falaram "vem para o Grêmio, me servia no Grêmio". Isso me motivou um pouco, sabia que teria essa parte de recepção, mas tudo é no campo. Esse carinho se ganha no campo — completou.

O meio-campista afirmou que a ligação do técnico Renato Portaluppi e contatos anteriores do ídolo gremista, quando adversários, fez diferença na hora da concretização do negócio. Houve possibilidade de atuar pelo Tricolor em 2016 e 2011, segundo o relato do próprio jogador.

Fonte: Globo Esporte




Notícias Relacionadas