19 julho 2021 | 08h47
  354
Compartilhar      
Bombinhas terá primeiros vinhos envelhecidos no fundo do mar no Brasil
O projeto, inédito no país, está em fase de implementação.

A parceria entre a uma empresa de mergulho no Litoral e vinicultores da Serra, com apoio da prefeitura de Bombinhas, levará Santa Catarina a ter a primeira adega subaquática para maturação de vinhos no país. O projeto, inédito no país, está em fase de implementação.

A ideia partiu do empresário Renieri Balestro, da escola de mergulho Pata da Cobra, que desenvolveu a proposta e deu início ao processo de licenciamento. A deputada estadual Paulinha, que é de Bombinhas, fez o contato entre a empresa do Litoral e a associação dos produtores de vinhos de altitude. A empresa Catta Wines, de Bombinhas, é parceira do projeto.

- Será a união do turismo da Serra e do mar – diz Paulinha.

As adegas subaquáticas são relativamente novas no mundo. A moda teria começado quando mergulhadores encontraram um navio naufragado no Mar Báltico, na costa da Finlândia, com 168 garrafas de champanhe a bordo. Entre elas, havia garrafas de Veuve Clicquot do século 19. A qualidade do champanhe, que passou décadas submerso, chamou atenção dos enólogos e as garrafas foram leiloadas por um alto preço.

A partir daí, produtores ao redor do mundo começaram a fazer experimentos semelhantes, mergulhando propositalmente as garrafas. Um dos primeiros testes ocorreu na Espanha, em 2003.

Em pouco tempo, além das garrafas de champanhe, o vinho também passou a ser submerso. Entre os apreciadores, uma das marcas mais conhecidas de vinhos subaquáticos é a croata Edivovina, que vende garrafas maturadas sob as ondas por preços que variam entre 700 e 2,6 mil kunas croatas – que equivalem a R$ 600 a R$ 2 mil.

Para os produtores, as adegas subaquáticas possibilitam manter o vinho sob pouca luz, baixa temperatura, pressão e um leve balanço, que além de realçar algumas características, reduz o tempo de maturação do vinho. Tudo isso, é claro, depende de encontrar as condições ideais. Some-se a isso o fato de que as garrafas ganham a aparência de que acabaram de sair de um naufrágio.

- Sabemos que é diferente, que agrega valor pelo inédito, pelo inusitado, e esperamos que melhore algumas características sensoriais. São condições que pouca gente estudou até agora. Não é só o vinho estar na água, mas tem a temperatura e o fato de estar sob pressão. Vamos descobrir como essas condições interferem – diz Humberto Conti, presidente da associação Vinhos de Altitude – Produtores Associados.

.

Fonte:

NSC/DC

Copyright 2017 © Todos os direitos reservados - Rádio Tapejara FM 101.5. contato@radiotapejara.com.br
54.968.987 de acessos desde 2009