02 novembro 2019 | 07h49
  379
Compartilhar      
Câncer de próstata: com diagnóstico precoce, chances de cura chegam a 90%
Exame do toque retal deve ser encarado com naturalidade

Inicia o mês de novembro e com ele as campanhas de prevenção ao câncer de próstata. A doença é o tipo de câncer mais comum entre os homens e na tentativa de conscientizar a população masculina sobre a importância de cuidar da saúde, o Novembro Azul se consolidou como um dos mais conhecidos movimentos em prol da luta contra o câncer.

A história de origem da data é inusitada: em 2003, um grupo de amigos australianos decidiu deixar o bigode crescer e cobrar 10 dólares de cada um que decidisse participar, destinando o valor a um fundo de combate ao câncer de próstata.

A história foi se espalhando e evoluindo e no ano seguinte, os amigos fundaram o movimento Movember. Uma plataforma online foi criada para que as pessoas postassem fotos da evolução de seus bigodes ao longo do mês de novembro e arrecadassem fundos com mais doações.

Assim, o mês de prevenção se espalhou pelo mundo e no Brasil, em 2008, o Instituto Lado a Lado pela Vida abordou a questão na campanha “Um toque, um drible”, mas foi em 2012 quando o mês se tornou integralmente dedicado a ações, surgindo assim o Novembro Azul.

Sintomas e suscetibilidade

Em entrevista, conversamos com o médico urologista do Hospital de Clínicas Marcelo Pimentel, que esclarece alguns dos principais questionamentos em relação ao câncer de próstata. De acordo com ele, a doença ocorre pela multiplicação descontrolada das suas células, geralmente iniciando na parte mais periférica da próstata. Em fase inicial o câncer de próstata não causa sintomas, já em casos mais adiantados podem aparecer dificuldade para urinar, sangue na urina e dores ósseas. A recomendação é de que homens a partir de 50 anos procurem um urologista para avaliação e, em caso de homens negros ou com histórico familiar da doença, o exame deve ser feito a partir dos 45 anos.

Chances de cura

Em estágios iniciais as chances de cura são muito elevadas, variando entre 70% a 90%. Já nos casos mais avançados, em que o câncer saiu da próstata e chegou a outras partes do corpo, o que chamamos de metástases, não temos mais possibilidade de cura.

Realização de exames

Os dois principais exames iniciais realizados para detectar o câncer de próstata são a dosagem do antígeno prostático específico (PSA) no sangue e o toque retal. Infelizmente, ainda existe tabu entre os homens em relação ao exame do toque retal, o que pode impedir um diagnóstico precoce. “O objetivo do toque retal é detectar nódulos e áreas de endurecimento na próstata, que podem levantar a suspeita para a presença do câncer. É um exame rápido, realizado no consultório e parte fundamental da avaliação prostática”, explica Pimentel. “O toque retal deve ser encarado com naturalidade, da mesma forma que um exame do coração, pulmão ou abdome. Não interfere na masculinidade do homem, pelo contrário, é um sinal que está preocupado consigo mesmo e também com seus familiares”.

É possível prevenir?

“Prevenir completamente o risco de câncer, infelizmente, não é possível”, comenta o médico. Acredita-se que manter uma dieta saudável (evitar gorduras e doces em excesso), praticar exercícios físicos e não fumar possa diminuir esse risco. “Como não podemos evitá-lo, o fundamental é realizar o diagnóstico do tumor em fase inicias, onde as chances de cura são muito grandes”, conclui.

Fonte:

Diário da Manhã

Copyright 2017 © Todos os direitos reservados - Rádio Tapejara FM 101.5. contato@radiotapejara.com.br
50.259.564 de acessos desde 2009